Luís Carlos Moreira Marques ( Mm CNPR; FUEDI - ELAE;T.O.C. )

nasceu em 2 de Agosto de 1945, na freguesia da Madalena, Vila Nova de Gaia.

De 1966 a 1970 frequentou a Faculdade de Economia do Porto e foi membro do Orfeão Universitário do Porto, tendo prestado serviço militar obrigatório como adjunto e posteriormente Chefe de Contabilidade, numa das mais prestigiadas instituições militares do norte do país, RASP, na Serra do Pilar, Vila Nova de Gaia, de Janeiro de 1970 a Abril de 1973, ano em que iniciou a sua actividade profissional como Perito Avaliador.

Não muito tempo depois, em 30 de Janeiro de 1975, funda aquela que viria a ser a primeira empresa nacional especializada no sector de peritagens, a funcionar em moldes europeus, a Peritosmar. 

O seu carácter decidido e empreendedor e de visão de futuro leva-o a encetar um autêntico desafio na área de prestação de serviços para a época (1976/1978) e na área em causa exclusiva, de peritagens de transportes (como se iniciara) a prevenções/assistências à descarga, e alargando o âmbito da Peritosmar à regulação de sinistros dos ramos patrimoniais, como riscos de incêndio (simples e industrial), Responsabilidade Civil, Engenharia, Obras e Montagens, etc., com admissão e formação interna de quadros técnicos de Engenharia das várias especialidades, Economia e Gestão, prestando e desenvolvendo uma acção que ainda não tinha sido realizada até então em Portugal e mesmo a nível internacional, descentralizando e rentabilizando escritórios espalhados estrategicamente por vários pontos do país, prestando deste modo serviços altamente especializados para a Indústria Seguradora, minimizando os respectivos custos de intervenção e oferecendo regulações mais técnicas e equilibradas.

Devido à sua acção, surge a nomeação da Peritosmar como peritos-avaliadores, por parte das Seguradoras nacionais e estrangeiras a operar em Portugal, em grandes casos ocorridos no nosso país, tais como, contestação do encalhe e da declaração de Avaria Grossa do Navio "Maura" , o encalhe e afundamento do "Jacob Maerst" e posterior apresentação de proposta para a sua remoção, incêndio de vários lotes de algodão no Porto de Leixões pela ex "CRIS", incêndio nos armazéns em Tavira de "Manuel Martins Dias-Paga-Pouco", incêndio no Chiado e Grandela, incêndio na "Finex", incêndio na "Araújo & Gonçalves", incêndio na "Mondorel", incêndio na "Barreto, Lda.". Estes casos e outros que liderou pessoalmente, entre vários milhares ao longo destes anos, granjearam-lhe competência e idoneidade a nível interno e internacional.

Acompanhando a movimentação que se verificou a nível internacional, Luís Marques não deixou fugir a oportunidade quando, conjuntamente com as maiores empresas europeias do sector, assinou em Amesterdão, em 22.10.1991, a declaração de princípios que levaria depois à fundação da maior empresa da Europa do ramo, a Mclarens European Partners, N.V., da qual foi membro do quadro de directores, representando como tal a firma portuguesa acreditada no seio desta organização, e que em 1998 se tornou, após fusão com a Toplis & Harding/USA, num dos maiores grupos mundiais de "loss adjusters", a Mclarens Young International.

Também a nível associativo e após ter sido membro fundador e presidente da direcção da APRECA (Associação Portuguesa de Peritos Reguladores e Comissários de Avarias), Luís Marques foi um dos principais mentores da formação, habilitação e credenciação dos peritos portugueses de seguros, colaborando activamente na criação e génese da Câmara Nacional de Peritos Reguladores (CNPR), fundada em Maio de 1996, contribuindo assim para que Portugal seja hoje um dos doze países da Europa já organizados em torno de uma federação europeia de peritos de seguros (FUEDI – The European Federation of Loss Adjusting Experts). Para além de membro deste organismo (MmCNPR) está credenciado com o diploma FUEDI-ELAE (European Loss Adjusting Expert), a mais alta qualificação europeia atribuída a nível de peritos de seguros.